Como evitar ruptura na cadeia de suprimentos

Blog

Como evitar ruptura na cadeia de suprimentos

Como evitar ruptura na cadeia de suprimentos

Veja como desenvolver uma estratégia de gerenciamento de riscos eficiente para evitar a ruptura de estoque.

 

Por Cleison Dara

 

A cadeia de suprimentos abrange todas as organizações, ela vai desde a seleção de matérias primas até o consumidor final, passando por diversos processos práticos e estratégicos que determinam o sucesso ou o fracasso da operação.

Neste blogpost, vamos entender melhor o conceito de ruptura, suas causas, consequências e as melhores estratégias para evitá-la.


Segundo Marcos J. Isaac, especialista em supply chain management e diretor da Modus, consultoria em logística “O desenho e a execução da cadeia de suprimentos devem garantir o alinhamento entre a estratégia do negócio e a operação”

Contudo, antes mesmo de pensarmos em como evitar os eventos de ruptura, precisamos definir quais fatores causam estes eventos.

Afinal, o que causa a falta de um produto na gôndola? Porquê os estoques estão mal abastecidos?

O QUE CAUSA OS EVENTOS DE RUPTURA?

 

Segundo o portal Consumidor Moderno, a indústria é responsável por até 38% dos riscos de ruptura, já o varejo corresponde aos outros 62% dos gargalos. 

Ou seja, este é um assunto que interessa a toda a cadeia de suprimentos. Além disso, um motivo bastante comum para que haja eventos de ruptura é a existência de um sortimento inadequado.

Isso acontece quando indústrias e varejos acabam por ofertar demasiadamente um determinado produto, e isso pode ser causado por diversos motivos, como:

  • A falta de visibilidade e acompanhamento dos dados de vendas;
  • Não acompanhar os dados gerados pelo processo de compras;
  • Tentativa de baixar custos;
  • Aumentar a margem de lucro.

Como vimos acima, indústrias desempenham um grande papel nesses casos de ruptura, o que torna cada vez mais necessário que estas empresas desenvolvam estratégias sólidas e eficientes para a gestão de riscos.

Existem alguns fatores que podem afetar a cadeia como um todo, como a não emissão do pedido, os erros no abastecimento do centro de distribuição e a demora para a entrega das mercadorias, desencadeando o aumento da ruptura.

Ainda falando de indústrias, muitas empresas costumam insistir em uma lógica que se baseia em empurrar produtos para o varejo, sem verificar se há a necessidade de reposição ou demanda adequada para estes produtos, enviando grandes lotes para as lojas, na tentativa de aumentar suas vendas.

Conheça a nossa solução para marcas 

 

COMO EVITAR EVENTOS DE RUPTURA?

 

Cadeias de suprimentos ágeis e eficientes representam uma enorme vantagem competitiva para diversos tipos de negócios, e para obter este benefício gerenciar os riscos é fundamental.

Para isso,  é necessário considerar alguns fatores determinantes para o sucesso das operações. Além de prevenir e desenvolver planos para lidar com desastres naturais, também é importante alinhar outras estratégias que incluam  processos de planejamento, identificação, análise qualitativa e quantitativa, planejamento de respostas e monitoramento e controle.

1. Planejamento: Processo de elaboração do plano de gerenciamentos dos riscos, que, entre outras informações, vai conter a metodologia a ser utilizada. Assim como, os papéis e responsabilidades, as categorias de riscos e as definições de probabilidade e impacto.

2. Identificação dos riscos: Determinar os principais eventos que podem afetar a cadeia e quais são as respostas potenciais. Utilize técnicas de identificação como a Delphi, brainstorming, entrevistas e análise de causa-raiz.

3 Classificação dos riscos: Os riscos das cadeias de suprimentos podem ser classificados em três categorias: internos à empresa (processos e controle); externos à empresa; internos para a cadeia (fornecimento e demanda); e externos à cadeia (eventos sociopolíticos, desastres naturais, etc.).

4. Análise qualitativa e quantitativa: Processo de priorização dos riscos, segundo uma avaliação qualitativa e quantitativa da sua probabilidade de ocorrência e impacto. Para esta finalidade torna-se necessário o uso de ferramentas especializadas em coleta e análise de dados (Analytics de produto).

Portanto, diante de um cenário de incertezas e a soma de fatores que podem influenciar diretamente nas operações da cadeia de suprimentos. Consequentemente, quem trabalha com marketing e planejamento de campas para a promoção e lançamento de produtos precisa estar preparado, a todo momento, para evitar ocorrências de diversas origens e fontes, que geram rupturas.

Também é preciso considerar que estas empresas poderiam dedicar maiores esforços em tarefas que contemplem o planejamento, a coleta e a análise de informações, tornando suas equipes e setores estratégicos responsáveis pela operação do abastecimento da cadeia em times Data Driven, aumentando a escalabilidade e a previsibilidade de eventos de ruptura e agindo rapidamente para uma solução precisa e eficiente do problema.

Gostou? Quer saber mais sobre análise dados, marketing digital, tecnologia e inovação na cadeia de suprimentos? Continue no nosso blog e encontre todo o conteúdo que você precisa